quarta-feira, dezembro 14, 2005

Ritsos

(hoje, pela mão dum desconhecido amigo, conheci este poeta e este poema, que me foi dedicado)

SEMPRE


Começamos uma conversa – fica a meio.
Começamos a construir um muro – não nos deixam terminá-lo.
E a nossa canção, dividida.
Tudo acaba no horizonte.

Sobre as oleados passam em manadas as estrelas
às vezes cansadas, às vezes amargas, no entanto seguras
pelos seus caminhos, e pelos nossos.

E o dia, até ao mais injusto, deixa-te no bolso
uma bandeirinha azul e branca da festa do mar,
deixa-te uma rabanada de ar limpo
deixa-te na vista a graça dos olhos
que contigo olhavam a mesma pedra,
que repartiram por igual a mesma dor, a mesma nuvem, a mesma sombra.

Tudo temos repartido, camaradas,
o pão, a água, o cigarro, a pena, e a esperança.
Agora podemos viver ou morrer
singelamente com beleza – com muita beleza –
do mesmo modo que abrimos uma porta à manhã
e dizemos bom-dia ao sol e ao mundo.

5 comentários:

Pólux disse...

Poema bonito, Dinada!
Desconhecia este poeta grego. Acabo de verificar que, infelizmente, já nos deixou há cerca de 15 anos.
Tomei boa nota do seu nome.
Obrigado.
Beijinho.

Anónimo disse...

Cool blog, interesting information... Keep it UP » » »

Anónimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on! »

Anónimo disse...

This is very interesting site... »

Anónimo disse...

Excellent, love it! » » »