sexta-feira, novembro 25, 2005

40 Anos!

Hoje, o Jorge, meu amigo de infância e o meu primeiro amor de criança, celebraria os seus 40 anos, se cá estivesse.

Mas não está, porque assim escolheu.

Engatou a 1ª em frente ao abismo e arrancou para o mar, perante o olhar incrédulo dos automobilista que passavam no local. Sabia que lá ficaria, optou por esta 'viagem' sem regresso.

Quando se recebe uma notícia destas há um misto terrível de sentimentos, onde sobressai, paradoxalmente, o ódio. A mágoa do perdão impossível por não ter havido tempo para conversar. Não deixou missiva ou qualquer tipo de mensagem.

Não terá sido uma surpresa porque o Jorge já havia tentado doutras formas fazer a mala e partir.

Mas nem isso atenua a dor de quem fica. Há um vazio por preencher, para sempre, difícil de superar.

Espero que tenha levado com ele a 'pedra branca' com que brincávamos aos segredos e que partilhávamos uma semana cada um. Andava sempre conosco. Estará com ele.

Um beijo, Jorge, onde quer que estejas.
Eu não te esqueço, prometo!

Lili

7 comentários:

Maria disse...

Bom dia dinada, com esta agora fiquei completamente arrepiada, espero que o jorge esteja a descansar em paz e que a tenha encontro a paz que provavelmente não tinha.
Tambem perdi um grande amigo de infancia, mas por doença, e também jamais o esquecerei, ainda mora no meu coração.
Um beijo enorme

Inha disse...

Que puta de nóia!!!

Já passei por isso! Uma amiga minha suicidou-se aos 18 anos por saber que estava grávida, tal era o terror que tinha do pai!!!

Um beijo e um bom fim de semana.

Dinada disse...

Nesse dia, já lá vão uns 7 anos, estava à frente do televisor na hora do noticiário e deram a reportagem. Em Ribamar, um condutor tinha acelerado a fundo para o abismo, caindo no mar, perante o olhar atónito dos namorados que elegiam a falésia para troca de amassos.

Os bombeiros, incansáveis, tiveram uma enorme dificuldade em chegar-lhe ao corpo.

Mal sabia eu que era do Jorge que falavam. Um choque!

E as saudades...enfim!

mfc disse...

Todos temos vazios que não se preenchem nunca.
Um abraço sentido.

Dinada disse...

Obrigada!

badger disse...

Ois Dinada...
Realmente esta foi bastante «dura»! Ao invés, eu tenho uma amiga que, em altura que andei muito depressivo e até com ideias algo suicídas, me ensinou a ver a vida... talvez porque ela, pela sua tenra idade e por ter que lidar com um cancro desde os 17 anos.... tenha aprendido a dar valor à vida, e nestes longos anos de tratamentos começou «a gostar da vida» como tantas vezes me repete!!


Eu dou graçças por ter ela como amiga!! Da mesma forma que tu adoravas o teu amigo!!
Um enorme beijo....

cm disse...

...falar com e de alguem é estar pra la da ausencia...um abraço