quarta-feira, novembro 23, 2005

Alvorada Errada!

Acordou.
Olhou à sua volta e não reconheceu o lugar.
Apoderou-se dela uma ansiedade, precedente à constatação do erro.
A medo, quase sem coragem, percorreu com as mãos o leito em que se deitou.
Descobriu outro corpo.
Quase em pânico, por saber que nenhum era suposto ser seu, tentou identificá-lo.
Um estranho.
Um estranho que jazia ali, de corpo nu, junto ao seu.
Medo de o despertar.
Que ele percebesse a sua insegurança.

O suor que lhe escorria na pele disse-lhe, em sussuro:
Se foi bom para ti, como essa transpiração denuncia, não é asneira.
É experiência.

Tomou um duche, não acordou ninguém e saiu como entrou. Sem fazer história mas com uma estória a ilustrar. Aprendendo, desenhá-la-à!

5 comentários:

Eremita Baptista disse...

forte...bem escrito...bjs.

frog disse...

As alvoradas nunca são erradas...são sómente o crepúsculo
dos Deuses e sinais de juventude

cm disse...

- acordar e descobrir...Bom dia

Mendes Ferreira disse...

todas as alvoradas são permitidas se "transpiradas" assim....:) beijo.oh mulher "loura"....

Anónimo disse...

Best regards from NY! film editing schools