terça-feira, julho 31, 2007

Deve-se

Olhar para os pés e
ver que eles continuam lá,
e que nos sustêem
e que permanecemos de pé, por causa deles, dos pés.

Olhar para quem passa na rua e se cruza connosco e nunca para o chão, mas sim olhar de frente.

Sentir o outro,
ouvi-lo melhor ou ouvi-lo simplesmente,
mais com o coração do que com as orelhas.

Andar na rua com ar altivo não significa presunção mas sim atenção...ao outro.

Perceber o passo (nosso e dos transeuntes), e
o que o seu ritmo significa.

Saber de antemão que,
agora e sempre,
seremos senhores do mundo (nosso e dos outros, não se enganem, cada um tem o seu),
deste pequenino espaço que nos rodeia e que nos faz sentir seguros.

Para,
um dia,
abrirmos asas e percebermos que, o outro,
aquele mais longínquo (abrangente e global),
também é nosso como é dos outros.

Somos um todo. Não há espaços nem dimensões. Só há Ser!

3 comentários:

Anónimo disse...

e sendo...:)))) sou.


uma presença ausente para te dizer a b r a ç o!!!!!!!!!!!!!!





(piano)

sniqper disse...

Vivemos num Mundo super povoado... Em cidades que são um autêntico caos de confusão e como por vezes vivemos na solidão de nem um simples olhar trocar...
Como dizes só existe um todo, um tempo sem tempo onde vivemos cada momento...

Bjs
sniqper

Baco disse...

gostei do seu blog, eu te convido para passar por o meu, um abraco!