sexta-feira, outubro 31, 2008

Padarias Tradicionais

E as padeiras atrás do balcão.

Invariavelmente vestem-se - ou melhor, mantém-se vestidas - como se tivessem saído da cama.

Põem por cima uma bata branca que tenta tapar a evidência mas, a pantufa no pé denuncia o resto da indumentária que ainda espreita pelas aberturas entre botões quando, no gesto de embalar o pão, lhas mostra.

Tendo em conta que funcionam, as Padarias, em dois turnos e a roupagem se mantém, pergunto-me se será que é à noite que se vingam e dormem de saia-casaco e sapatos.

E, no Inverno, é certinho que todo este conjunto típico seja complementado com um xaile de lã tricotado, com ar de baú de avó, mesmo que seja a da tal padeira, já ela com ar de bisavó.

Sou só eu que reparo nisto?

Que nunca acabem as Padarias Tradicionais e toda a mística que as envolve e que perdura imutável, até hoje.

8 comentários:

Anónimo disse...

olá bom dia!

não te enerves!!

compra pãozinho quentinho!

bjokas com carinho e ternura

cmarco

Anónimo disse...

comentário de rodapé:

um destes dia apresento-te o meu mazda para ficares de olhos em bico

cmarco

Dinada disse...

Ai Marco, tens mesmo Graça.
O Mazda, pois...
Vem com o motorista?

Help me God!!!

aurora disse...

Olha, olha, agora dormir de saia casaco..

Atão num se tá memo a ver que elas dormem com um deux pièces Dries Van Noten, pá?!!

Iguinórante...

aurora disse...

E o Mazda abraça-nos? Diz alguma coisa interessante? Ou é mesmo só aquela coisa que nos transporta de um lado para o outro?

(suspiro...)

Anónimo disse...

Não, não és só tu a reparar nisso!
Muitos outros reparam, só que provavelmente têm mais proximidade com a realidade, não dando tanta importância estética a essa observação, dando-lhe mais importância moral/social. Esses reparam, pensam, e se calhar não lhes chega a imagem de saia casaco, mas sim a imagem de um mundo mais justo.

Anónimo disse...

Não devolvas o CORSA Liiiiindo. Aproveita, e vai dar uma volta com as padeiras. Logicamente no turno de saia-casaco e sapatos.

Dinada disse...

Polo. Poooolo! VW, não Opel.
Atenção ao que está escrito evitaria equívicos.

Devolvi-o hoje.

Depois, havia que ler além do óbvio, do b a ba.

Pobres daqueles que perderam (ou, às tantas nunca tiveram)o sentido de humor, de observação irónica, a visão a várias cores duma realidade que não tem de ser a preto e branco e que pode, além de todos os cinzentos, ser a cores.

Eu observo.

E escrevo o que observo da forma que mais me apraz.
Cada um lê como é capaz.

(Olha, rimei...)

'Sejaindes' felizes e 'descontraizaindes' que é o que vos faz falta.

Eu, amanhã, vou de Saxo trabalhar, feliz, de rabinho pouco tremido que não há suspensão como a de um Citroën...mainada.